• Redação

Prefeituras da Zona da Mata e Vertentes anunciam o cancelamento de Carnaval 2022



Tradicional no Brasil, o Carnaval arrasta foliões em toda parte, incluindo a Zona da Mata e o Campo das Vertentes. Entretanto, em virtude da pandemia da Covid-19, a realização de eventos em 2022 está indefinida em alguns municípios das duas regiões. Por outro lado, algumas cidades do país, como São Paulo e Rio de Janeiro, já divulgaram a programação para o próximo ano.


A Prefeitura de Matias Barbosa anunciou nesta terça-feira (23) que não vai realizar o Carnaval 2022 na cidade. A medida, segundo o prefeito Beto Lopes (PP), tem o objetivo de evitar a transmissão do coronavírus entre turistas e moradores durante a folia.


De acordo com a Prefeitura, eventos de terceiros como blocos, por exemplo, não terão apoio da Administração Municipal.


O Departamento de Saúde continua com a imunização da população com 12 anos ou mais, com 1ª, 2ª dose e o reforço para pessoas com mais de 18 anos que tenham completado cinco meses após a segunda dose.


Até o último levantamento, o município já vacinou 89,4% das pessoas com 18 anos ou mais com a primeira dose e 81% com a 2ª dose. Já 76% dos adolescentes de 12 a 17 anos foram imunizados com a 1ª dose.




Já em São João Del Rei, o prefeito Nivaldo Andrade (PSL) informou nesta segunda-feira (29) o cancelamento do Carnaval 2022 em São João del Rei. Os detalhes da decisão e demais informações ainda serão publicadas de forma oficial através de decreto.


Em um vídeo divulgado nas redes sociais, o chefe do Executivo afirmou que por ele a festa estaria mantida, mas que a decisão foi tomada em respeito ao povo, que ao encontra-lo pelas ruas da cidade fez pedidos para que a festa não ocorresse.


“Eu queria que tivesse o carnaval, mas o povo de São João del Rei não quer. Eu queria porquê? Tem 100 mil pessoas em estádios de futebol, mas andando pelas ruas todos repetiam, carnaval não! Quem manda é o povo, se ele não quer, eu não vou fazer”, destacou o prefeito.


Outras cidades da região ainda discutem o tema.



Fonte: G1