• Redação

Muriaé: ex-vereador e policial militar reformado que matou esposa deve ficar preso até o julgamento

Em dezembro de 2021, Joel Morais de Azevedo Junior se entregou na Delegacia de Polícia Civil e confessou ter matado a esposa, Priscila Silva Dala Paula Azevedo.


O policial militar reformado e ex-vereador Sargento Joel e a esposa Priscila Silva em Muriaé — Foto: Reprodução/Redes sociais


O ex-vereador e policial reformado Joel Morais, de 51 anos, teve a prisão preventiva decretada pela Justiça e deve ficar preso, pelo menos, até o julgamento, que não tem data prevista.


A informação foi confirmada pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Joel se entregou em dezembro do ano passado e confessou ter matado a esposa. Ele está preso desde então, e anteriormente, teve a prisão temporária prorrogada.


No dia 8 de dezembro do ano passado, Joel Morais de Asevedo Junior se entregou na Delegacia de Polícia Civil de Muriaé. Acompanhado de um advogado, ele confessou ter matado a esposa, Priscila Silva Dala Paula Azevedo, de 26 anos.


Na decisão da prisão preventiva, a juíza Michelle Felipe Camarinha de Almeida citou que "basta uma simples leitura de como os fatos supostamente ocorreram para constatar a necessidade de se garantir a ordem pública em prol da sociedade, posto que o denunciado, com sua atitude audaz, demonstrou ser uma pessoa potencialmente perigosa, que despreza a vida humana".


Além disso, a Justiça pontuou que apesar de o acusado ser réu primário, a conduta praticada demonstra desprezo pelas normas de convívio social e a periculosidade concreta dele, sendo a decretação da prisão preventiva necessária para o resguardo da ordem pública.


Investigações apontam que vítima estava dormindo


Conforme consta nos autos do processo, foi apurado que no dia 8 de dezembro de 2021, Joel efetuou 2 disparos fatais de arma de fogo contra a, até então esposa, Priscila Silva Dala Paula Azevedo, de 26 anos.


De acordo com o laudo pericial do local do crime, não há sinais de luta corporal entre vítima e denunciado e os disparos efetuados bem próximos ao corpo da vítima, indica que Priscila estava dormindo no momento do crime, por isso não poderia se defender.


Além disso, foi possível verificar que, durante o período em que permaneceu na casa até a chegada dos advogados, o policial reformado e ex-vereador acessou o celular da vítima, "tendo indícios que Joel tenha, inclusive, acessado e apagado arquivos da vítima que comprovassem outros crimes supostamente praticados por ele e poderiam ser de conhecimento da vítima, levando em consideração que o mesmo é investigado por fraudes públicas quando exerceu o cargo de vereador".


As apurações apontaram, ainda, que o ex-vereador, "sabedor da possibilidade de recuperação de arquivos apagados", ocultou o aparelho em uma caixa de descarga a fim de danificá-lo e ocultar provas e dificultar as investigações.


"Imperioso destacar que o denunciado permaneceu no imóvel com a vítima morta por mais de 2 horas, quando só então contactou seus advogados que o aconselharam, e, posteriormente, se entregou à polícia, reconhecendo o cometimento do homicídio, no entanto, sem dar nenhuma explicação plausível acerca dos fatos", citou no processo.


A Justiça apontou, ainda, que Joel premeditou a morte da esposa, uma vez que ela poderia usar informações sigilosas a respeito dele como forma de dar fim ao casamento.


"Assim, o modus operandi empregado denota a gravidade concreta do crime e a periculosidade do denunciado, o qual teria praticado o delito por motivo torpe, para assegurar a ocultação de outro crime e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima, sua até então companheira, a qual teria sido alvejada por dois disparos de arma de fogo, na cabeça, enquanto dormia, demonstrando, portanto, a periculosidade do agente e a adequação da Prisão Preventiva para a preservação da ordem pública".


Entenda


O policial militar reformado e ex-vereador Joel Morais de Asevedo Junior se entregou em dezembro na Delegacia de Polícia Civil de Muriaé. Ele estava acompanhado de um advogado e confessou ter matado a esposa, Priscila Silva Dala Paula Azevedo.


Segundo o advogado Ricardo Couri, o cliente, conhecido como Sargento Joel, afirmou que estava “muito abalado psicologicamente” e que “ele não lembra de nada”. A defesa afirmou ainda que “tudo é muito precoce e o suspeito não relatou nenhum detalhe para a defesa”.


De acordo com as informações da Polícia Civil, o ex-vereador chamou os advogados até a casa dele e contou que havia “feito besteira”, tinha matado a esposa e queria se apresentar à polícia.


O casal tem um filho de 1 ano e 10 meses, que ficou com a avó materna.


Na delegacia, o militar reformado confessou a autoria do crime. Ele afirmou ter matado a esposa com uma pistola própria já que como sargento da reserva tem porte de arma de fogo. O Sargento Joel entregou a arma supostamente usada no crime aos policiais.


Diante da situação, a Polícia Civil pediu a prisão temporária dele, concedida pela Justiça. Por ser policial da reserva, o suspeito foi levado para o 21º batalhão da Polícia Militar (PM) em Ubá. O caso segue em investigação.


Polícia Civil investiga o caso


O caso está em investigação na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher em Muriaé.


Segundo a delegada responsável, Natália Guimarães, pelo fato do ex-vereador ter se apresentado à polícia, não foi lavrada a prisão em flagrante, entretanto, "diante da gravidade dos fatos, da repercussão e da possibilidade de intervenções nas investigações, foi feito o pedido de prisão temporária, concedido pela Justiça".


O policial foi levado para o 21º Batalhão de Polícia Militar em Ubá, onde permanece custodiado à disposição da Justiça.


"Durante o depoimento, ele [acusado] não deu detalhes sobre a motivação do crime e a dinâmica dos fatos, disse apenas que efetuou os disparos e não quis mais falar sobre o crime", afirmou a delegada. Ainda conforme a delegada, não há histórico de ocorrências que envolvam o casal, mas as investigações estão em curso para esclarecimento completo dos fatos.


Trajetória política


Veja abaixo a trajetória política de Joel Morais da Asevedo Junior, disponível no site da Câmara de Muriaé:


"Sargento reformado da Polícia Militar era caso com Pricila Silva Dala Paula Asevedo e, juntos, tiveram um filho. Sargento Joel, como é conhecido por todos, teve uma atuação marcante como presidente da Associação de Moradores dos Bairros São Gotardo, Alterosa e Prefeito Hélio Araújo, onde conquistou várias benfeitorias aos moradores; como asfaltamentos, calçamentos, redes de esgoto e pluvial, energia elétrica, transporte coletivo urbano e posto de saúde.


Ingressou na política em 2004, tornando-se o vereador mais votado de Muriaé com 2.038 votos, aumentando a votação para 2008, quando foi reeleito com 2.464 votos. Em 2012, foi novamente o vereador mais votado do município com 2.479 votos, assumindo em 2013 a presidência da Câmara de Muriaé, conquistando a inédita reeleição sequencial nos anos sequentes de 2014 e 2015.


Teve a atuação na presidência da Câmara de Muriaé marcada por várias realizações. Construiu os gabinetes dos vereadores com toda a infraestrutura existente hoje permitindo que os legisladores de Muriaé possam receber e atender a população de forma individualizada, com o respeito que cada um merece. Realizou concurso público, investindo em servidores efetivos, fato que não ocorria na Câmara há 19 anos. Implantou a abertura da tribuna nas sessões da Câmara para a população se manifestar, assim como realizou diversas audiências públicas, nunca antes promovidas, garantindo a participação popular e a interação das autoridades com a comunidade.


Em 2016, foi reeleito vereador para seu quarto mandato consecutivo o qual exerce com muito empenho e dedicação na Câmara de Muriaé".



Fonte: G1